Dicas‎ > ‎

Queimadas

     Queimadas


Incêndios Florestais ou Queimadas ?




A queimada, realizada algumas vezes até mesmo para fazer a limpeza de terrenos, é crime e pode gerar multa. De acordo com a Lei nº 1714 de 25 de agosto de 2011, “Dispõe sobre a proibição de queimadas na Estância Turística de Ibiúna”. Com esse documento fica “proibido o emprego de fogo em terrenos públicos ou particulares, localizados entre os limites territoriais do município, para fins de limpeza de terrenos, queima de mato ou vegetação seca ou verde e queima de outros resíduos sólidos, incluindo lixo e entulho”. O valor da multa básica vai de um a dez salários mínimos, podendo variar conforme alguns agravantes.

Incêndio Florestal

É todo fogo sem controle que incide sobre qualquer forma de vegetação, podendo tanto ser provocado pelo homem (intencional ou negligência), ou por fonte natural (raio).

 Queimadas

São práticas agropastoris ou florestais, onde o fogo é utilizado de forma controlada, atuando como um fator de produção.



Queimadas agrícolas provocam prejuízos ao solo e à produção.
Por: Leilane Alves Pereira


Utilizada para limpar e preparar o solo para o plantio, a queimada ainda é uma prática comum entre agricultores, principalmente com menos recursos financeiros. No entanto usar o fogo com esses objetivos não traz nenhum benefício ao produtor. Pelo contrário. Essa prática primitiva causa danos ao solo e aos demais recursos naturais. É o que explica o coordenador substituto de Manejo Sustentável dos Sistemas Produtivos da Secretaria de Desenvolvimento Agropecuário e Cooperativismo do Ministério da Agricultura, Luiz Novais de Almeida.

Agosto tem o maior índice de registro de incidências de queimadas no país. “Sob o ponto de vista agronômico, o Ministério da Agricultura não recomenda. A queimada elimina nutrientes essenciais às plantas, como nitrogênio, potássio e o fósforo. A flora e a fauna são prejudicadas. Além disso, a prática reduz a umidade do solo e acarreta a sua compactação, o que resulta no desencadeamento do processo erosivo e outras formas de degradação da área”, alerta Novais.

O coordenador explica que, na medida em que provoca alterações nas características físicas, químicas e biológicas do solo, a queimada contribui, significativamente, para a degradação e redução da capacidade produtiva da terra. “E como o solo é a base de todo o sistema agrícola, gera prejuízos na produtividade das culturas e aumenta os custos de produção. Os impactos são sociais, econômicos e ambientais. Isso traduz a importância da conscientização dos produtores, no sentido de não utilizarem esta prática”, afirma. 

Além de afetar os solos, o fogo deteriora a qualidade do ar, levando até ao fechamento de aeroportos por falta de visibilidade, reduz a biodiversidade e prejudica a saúde humana. Ao escapar do controle, atinge o patrimônio público e privado (florestas, cercas, linhas de transmissão e de telefonia, construções, etc.). As queimadas alteram a composição química da atmosfera e influem, negativamente, nas mudanças globais, tanto no efeito estufa quanto na redução da camada do ozônio.

Do ponto de vista técnico, só seria admissível a utilização de queimada no campo em situação de emergência fitossanitária, como a ocorrência de pragas e doenças na lavoura. “Mas isso seria em casos muito pontuais e extremos, com a aprovação de um especialista”, ressalta.

Estudos


A principal fonte de informações sobre queimadas no Brasil é Embrapa Monitoramento por Satélite, centro temático da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) com foco em pesquisas e inovações geoespaciais para a agricultura. Usando suas informações, outras unidades da Empresa desenvolveram tecnologias que, se devidamente utilizadas, ajudam a evitar a prática das queimadas como instrumento de manejo, trazendo benefícios ao meio ambiente e à sociedade.

Acesse o estudo publicado pela Embrapa que apresenta tecnologias alternativas para substituir, com vantagens, o uso do fogo na vegetação.


Problemas antigos


Os incêndios florestais e as queimadas estão entre os principais problemas ambientais enfrentados pelo Brasil. As emissões resultantes da queima de biomassa vegetal colocam o País entre os principais responsáveis pelo aumento dos gases de efeito estufa do planeta. Além de contribuir com o aquecimento global e as mudanças climáticas, as queimadas e incêndios florestais poluem a atmosfera, causam prejuízos econômicos e sociais e aceleram os processos de desertificação, desflorestamento e de perda da biodiversidade.

Este problema foi identificado na década de 80, quando as mídias nacionais e internacionais tornaram públicos os dados alarmantes de focos de calor observados pelo Inpe. O fato evidenciou a ausência de estrutura governamental organizada para implementar ações de prevenção e combate aos incêndios florestais e exigiu do Governo uma resposta a este problema.

Considerando a importância da temática, o Centro Nacional de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais - Prevfogo foi criado em 1989 e tem atuado na promoção, apoio, coordenação e execução de atividades educativas, pesquisa, monitoramento, controle de queimadas, prevenção e combate aos incêndios florestais em todo território nacional.


Fonte: Ibama